• 1566 5 de outubro
    Saque dos corsários franceses ao Funchal.
  • 1567
    Primeira visita dos Jesuítas ao Funchal.
  • 1568 20 de Janeiro
    Subida ao trono de D. Sebastião.
  • 1569 20 de agosto
    Alvará régio de fundação do Colégio, que recebia um dote anual de 600$000.
  • 1570 Março
    Chegada dos Jesuítas ao Funchal para a fundação do Colégio.
  • 1570 6 de Maio
    Início das aulas de latim e gramática.
  • 1572 Janeiro
    A Companhia passou para uma pequena albergaria situada na rua dos Ferreiros, iniciando a compra de terrenos para construção do futuro Colégio.
  • 1575 23 de Setembro
    Envio para Roma da planta geral do Colégio e igreja para aprovação.
  • 1576
    Início da recolha de materiais para as obras e envio de nova planta.
  • 1577 9 de Abril
    A Companhia adquire a Quinta do Pico do Cardo a Fernão Carvalho por 100$000.
  • 1578 19 de Maio
    Instalação dos jesuítas em S. Bartolomeu, com adaptação das construções existentes a Colégio e a igreja.
  • 1578 4 de Agosto
    Morte de D. Sebastião, e dos dois reis de Marrocos, na Batalha de Alcácer Kibir.
  • 1578 28 de Agosto
    Juramento do cardeal rei D. Henrique no Hospital de Todos os Santos.
  • 1578 5 de Setembro
    Compra de casas a Garcia Homem de Sousa.
  • 1579
    O Colégio começou a receber 350$000 pelos dízimos da Ribeira Brava e 250$000 pagos pela Alfândega.
  • 1579 4 de Maio
    Regulamentação nas "Constituições do Bispado" do ensinar a ler e a escrever.
  • 1580 30 de Janeiro
    Morte do cardeal rei D. Henrique.
  • 1580 17 de Junho
    Proclamação dos governadores a favor de Filipe de Habsburgo.
  • 1580 13 de Setembro
    Juramento de Filipe I pela Câmara de Lisboa.
  • 1583
    Compra de casas a Rodrigo de Barros e a Diogo da Câmara Leme.
  • 1585
    Compra de casas a Leonor Francisca e Constantino de Caíres.
  • 1589 8 de Abril
    Morte do P.e Leão Henriques, principal dos jesuítas em Portugal.
  • 1590
    Referência às pequenas dimensões da capela dos jesuítas.
  • 1592 Fevereiro / Março
    Nova planta de Mateus Fernandes e emendas do padre visitador Pedro da Fonseca.
  • 1592 23 de Março
    Referência à necessidade de instituição de uma Irmandade de Estudantes, instalada, posteriormente, na Capela de Nossa Senhora da Luz.
  • 1595 9 de Maio
    Morte do P.e Manuel de Sequeira, 1.º reitor do Colégio.
  • 1595
    Compra da Quinta do Campanário, que provia a alimentação do Colégio.
  • 1598 13 de Setembro
    Aclamação de D. Filipe II.
  • 1599
    Lançamento das fundações do Colégio e levantamento de uma das alas, sobre a rua do castanheiro, com 6 cubículos.
  • 1599 14 de Agosto
    Inês Pais deixa, em testamento, o seu negro Francisco e casas na Ribeira de João Gomes, bem como uma vinha, à sacristia.
  • 1600 30 de Julho
    Compra da Quinta do Pico das Frias pelo Colégio.
  • 1601 1 de Dezembro
    Aluvião no Funchal.
  • 1609
    O dote do Colégio de 600$000 era pago integralmente pelos dízimos da Ribeira Brava. 1617 agosto - Saque corsário ao Porto Santo.
  • 1619
    Data que está registada no cimo da Porta das Aulas, localizada na atual rua dos Ferreiros.
  • 1620
    Francisco de Morais de Aguiar e D. Anha de Moura deixam ao Colégio a Quinta da Boa Vista do Caniço e o padroado da Capela de N. Senhora da Salvação.
  • 1621 31 de Março
    Aclamação de D. Filipe III.
  • 1629
    Início das obras da igreja de São João Evangelista.
  • 1640 1 de Dezembro
    Proclamação de D. João IV no Paço da Ribeira em Lisboa.
  • 1640 15 de Dezembro
    Aclamação solene de D. João IV.
  • 1640 19 de Dezembro
    Carta para a Madeira anunciando a aclamação de D. João IV.
  • 1641 11 de Janeiro
    Aclamação de D. João IV no Funchal.
  • 1641
    Estava a ser executada a cobertura da capela-mor.
  • 1647
    Data no retábulo de São Francisco Xavier.
  • 1648
    Prontos os retábulos mor e de Nossa Senhora do Pópulo.
  • 1656 11 de Setembro
    Doação da Madeira à Infanta D. Catarina.
  • 1660
    Importantes obras na igreja, como a reforma do retábulo-mor com introdução de camarim efetuada por Manuel Pereira.
  • 1661 20 de Agosto
    Casamento de D. Catarina com o rei de Inglaterra.
  • 1662 23 de Agosto
    Entrega do poder a D. Afonso VI.
  • 1665
    Colocação das colunas nas portas da fachada e reforma de outros altares, como o de São Francisco Xavier; início da construção do coro-alto.
  • 1671 14 de Dezembro
    Morte de Miguel Moreira de Almeida, com sepultura na Capela de São Miguel.
  • 1683 12 de Agosto
    Aclamação de D. Pedro II.
  • 1600 30 de Julho
    Compra da Quinta do Pico das Frias pelo Colégio.
  • 1706 1 de Dezembro
    Aclamação de D. João V
  • 1719
    Data da sepultura de António Spínola Teixeira e D. Francisca Coelha de Sampaio, na Capela de Santo António.
  • 1720
    Construção do guarda-vento e dos púlpitos.
  • 1722
    O Colégio tinha de 18 a 20 religiosos; referência às Irmandades de Nossa Senhora do Pópulo, do Senhor dos Passos e de Santa Quitéria.
  • 1728
    Pintura dos frescos do sub-coro e do teto.
  • 1730
    Trabalho de talha da sacristia atribuível aos mestres Manuel Pereira de Almeida e Julião Francisco Ferreira.
  • 1735
    Colocação dos azulejos no coro, sub-coro e paredes da nave.
  • 1748 31 de Março
    Terramoto na Madeira.
  • 1750
    Chegam de Lisboa as imagens da fachada.
  • 1750
    Aclamação de D. José I.
  • 1755 1 de Novembro
    Terramoto e maremoto em Lisboa.
  • 1756 22 de Março
    Ordem de execução das obras no porto do Funchal.
  • 1759 29 de Maio
    Cerco ao Colégio do Funchal, ficando os religiosos incomunicáveis por mais de um ano.
  • 1759 23 de Junho
    Alvará extinguindo as classes e as escolas jesuíticas.
  • 1760 16 de Julho
    Expulsão dos jesuítas do Funchal e inventário dos bens do Colégio.
  • 1767 8 de Junho
    Novo inventário dos bens do Colégio, onde se refere a prata, dividida pelos espaços das capelas.
  • 1768
    Início da "Aula Militar", com aulas de geometria e trigonometria.
  • 1774 5 de Janeiro
    Nomeação por carta régia de Francisco Manuel de Oliveira como 1.º professor de "Filosofia Racional" para o Funchal.
  • 1777 13 de Março
    Aclamação de D. Maria I.
  • 1781 7 de Maio
    Novo inventário dos bens do Colégio.
  • 1787 10 de Agosto
    Cedência de parte do edifício para seminário.
  • 1788 31 de Março
    Abertura das aulas do Seminário.
  • 1792
    Início da regência do príncipe D. João.
  • 1801 24 de Julho
    Ocupação do edifício pelas forças inglesas, retirando-se parte do espólio da igreja para arrecadação.
  • 1802 25 de Janeiro
    Saída das forças inglesas e ocupação do edifício pelo Batalhão de Artilharia.
  • 1807 17 de Novembro
    Invasão das tropas francesas em Portugal.
  • 1807 27 de Novembro
    Embarque da corte portuguesa para o Brasil.
  • 1807 Dezembro
    Segunda ocupação inglesa.
  • 1808 17 de Agosto
    Saída de Beresford para Lisboa.
  • 1811 Março
    Início da retirada francesa de Portugal.
  • 1814 Outubro
    Saída das forças inglesas e ocupação do edifício pelo Batalhão Independente de Infantaria n.º 19.
  • 1815 24 de Agosto
    Passagem de Napoleão Bonaparte pelo Funchal a caminho de Santa Helena.
  • 1816 20 de Março
    Aclamação de D. João VI.
  • 1820 24 de Agosto
    Revolução liberal no Porto.
  • 1821 28 de Janeiro
    Pronunciamento liberal na Madeira.
  • 1821 3 de Julho
    Chegada de D. João VI a Lisboa.
  • 1822 7 de Setembro
    Independência do Brasil.
  • 1826 26 de Abril
    Aclamação de D. Pedro IV.
  • 1834 20 de Março
    Aclamação de D. Maria II.
  • 1837 12 de Setembro
    Abertura solene nas "Aulas do Pátio" do Liceu do Funchal.
  • 1846
    O governador civil, faz obras na igreja, sendo, provavelmente desta data, o repinte da cobertura da nave.
  • 1848 Setembro
    Entrega da igreja à diocese.
  • 1850
    Restauro da igreja pelo governador José Silvestre Ribeiro e entrega à diocese.
  • 1853 15 de Novembro
    Aclamação de D. Pedro V.
  • 1860
    Obras do capitão de engenheiros António Pedro de Azevedo (consolidação das estruturas, lajeamento dos pisos térreos e construção dos edifícios da cerca e do portão exterior).
  • 1861 11 de Novembro
    Aclamação de D. Luís I.
  • 1881
    Transferência do Liceu do Funchal para o antigo solar do barão de São Pedro, que lhe ficava anexo.
  • 1889 19 de Outubro
    Aclamação de D. Carlos I.
  • 1901 24 de Junho
    Visita régia ao Batalhão, altura em que se teriam efetuado obras pontuais, como a calçada com os emblemas das forças militares até então ali aquarteladas.
  • 1908 1 de Fevereiro
    Regicídio e aclamação de D. Manuel II.
  • 1910 5 de Outubro
    Implantação da República.
  • 1936 Setembro
    Transferência do órgão da Sé para o Colégio.
  • 1940 26 de Setembro
    Publicação do Decreto n.º 30 762, no DG, 1.ª série, n.º 225, determinando a classificação da Igreja de São João Evangelista como Monumento Nacional.
  • 1940 1 de Novembro
    Publicação do Decreto n.º 30 838, DG, 1.ª série, n.º 254, suspendendo o decreto n.º 30 762, de 26 de setembro do mesmo ano, relativamente à classificação de imóveis de propriedade particular.
  • 1950
    Início da construção do novo quartel de Infantaria em São Martinho.
  • 1953
    Intervenção no edifício feita pelos militares, com pintura geral das fachadas.
  • 1957 e 1958
    Grande intervenção nas coberturas, com substituição de grande parte dos madeireiramentos atacados por formiga branca, altura em que o Corredor do Eirado foi coberto por laje de cimento armado.
  • 1960
    Construção de novos bancos para a igreja.
  • 1963
    Plano de urbanização do Funchal, não efetivado, que previa a demolição de parte do Colégio e a construção no local de moradias para oficiais da guarnição militar da ilha.
  • 1963
    Substituição da cobertura da igreja.
  • 1965
    Obras de conservação e desinfestação de todas as madeiras dos tetos da igreja, atacadas pela formiga branca, feitas pela Junta Geral.
  • 1970 Outubro
    As forças militares do quartel de Infantaria n.º 19 abandonaram o Colégio para o novo aquartelamento de São Martinho, inaugurado a 31 outubro.
  • 1970 Outubro
    Cedência das instalações para Escola Preparatória e Cooperativa Militar, ainda ficando o edifício norte da parada para ensaios da Banda Militar.
  • 1974 18 de Novembro
    2.º auto de cedência do Colégio à Junta Geral pelo espaço de 2 anos.
  • 1980 4 de Setembro
    Auto de devolução e cessão simultânea, por venda, pelo Exército ao Governo Regional, tendo sido depois feita revisão das estruturas e da cobertura.
  • 1984 Março
    Descoberta do relicário das 11 Mil Virgens encerrado desde 1759.
  • 1985
    Restauro do órgão da igreja do Colégio por Luís Figueira Faria.
  • 1987
    Restauro geral e pontual das talhas e das pinturas da igreja do Colégio.
  • 1988
    Instalação dos primeiros cursos da futura Universidade da Madeira no antigo quartel do Colégio.
  • 1990 Setembro
    Instalação dos cursos de ciências da antiga extensão universitária no quartel do Colégio.
  • 1993 Outubro
    Adaptação das antigas instalações do ginásio do quartel a Sala de Atos da universidade.
  • 1993 Novembro
    Início da reabilitação do piso intermédio sobre o largo do Município e rua do Castanheiro, pela Universidade da Madeira.
  • 1993 Novembro
    Picagem das cantarias, reposição do piso em casquinha, pintura das paredes e revisão da instalação elétrica e informática do piso intermédio sobre o largo do Município e rua do Castanheiro.
  • 1993 Novembro
    É colocado a descoberto alguns elementos da ocupação jesuíta, como um oratório de parede interior em cantaria mole regional, dotado no ano seguinte com imagem de São João Evangelista em barro policromado.
  • 1995
    Restauro das principais pinturas a óleo da Igreja do Colégio.
  • 1997
    Restauro dos altares das 11 Mil Virgens, Nossa Senhora de Fátima (antigo de Nossa Senhora da Luz) e Pópulo (interrompido).
  • 1998
    Revisão do sistema de coberturas sobre o "Pátio dos Estudantes".
  • 1998
    Reabilitação do antigo "Corredor do Eirado" para instalação da Reitoria, com picagem das cantarias, reposição do piso em "casquinha".
  • 1998
    Recuperação de caixilharias e portadas, pintura das paredes e revisão da instalação elétrica e informática do antigo "Corredor do Eirado".
  • 2000
    Projeto de execução da CM Arquitectos (arquitetos Rui Campos Marques e Vasco Cardoso Marques) para a recuperação da Entrada e Claustro do Colégio dos Jesuítas.
  • 2000 12 de Setembro
    Início da recuperação da antiga Entrada do Colégio à atual rua dos Ferreiros para entrada da reitoria, com montagem de uma sala de exposições e uma portaria.
    Início da reabilitação do Pátio dos Estudantes, antecedida de escavações arqueológicas pontuais de emergência no local, como jardim conventual ou colegial.
    Início da reposição do antigo poço e colocação de uma taça de água e de bancos de cantaria; recuperação da antiga escada de acesso ao piso superior.
    Início da reparação, limpeza e caiação das fachadas ao pátio e norte, ao parque de estacionamento.
  • 2001 1 de Julho
    Inauguração das obras de reabilitação com a presença de o presidente da República, Jorge Sampaio, com uma exposição do material exumado na campanha arqueológica efetuada no pátio.
  • 2002 Maio
    Abertura de concurso público pela DRAC para adjudicação da empreitada de beneficiação das torres e terraços da igreja.
  • 2004/2005
    Campanha de reabilitação do piso térreo do Colégio, que havia sido ocupado pela Cooperativa Militar.
  • 2006 Janeiro
    Início da campanha de reabilitação geral da pintura da igreja, tetos a óleo e paredes a fresco, pela empresa Junqueira 220, sob direção de Carmen Olazabal Almada e Luís Tovar Lemos Figueira.
  • 2007 10 de Julho
    Exposição da DRAC na antiga Cooperativa Militar com a apresentação dos trabalhos em curso na igreja do Colégio.
  • 2008 Março
    Reabilitação da antiga horta da rua do Castanheiro, com passeio de piso empedrado, obra geral inaugurada com uma exposição da DRAC na antiga Cooperativa Militar, por ocasião da visita do presidente da República, professor Aníbal Cavaco Silva, a 15 abril.
  • 2008 23 de Novembro
    Concerto de órgão como inauguração da reabilitação geral dos trabalhos de pintura da igreja do Colégio.
  • 2010
    Campanha de reabilitação do antigo refeitório do quartel para futura instalação de núcleos empresariais e estruturas similares.